sexta-feira, 1 de junho de 2012

O anzol e a minhoca

    Lendo o  Blog de Ciro Siqueira (http://www.codigoflorestal.com/) , que comenta a reportagem do The Econonist, o que mais me parece interessante é a parte : 

"parece estranho aos olhos estrangeiros, acostumados a ver os governos preservarem biomas em parques nacionais " . 


   Pelo visto os estrangeiros (e muitos brasileiros !) ainda não entenderam que, na verdade, este código tem um viés mais desapropriatório do que qualquer outra coisa. Ou seja, a principal conseqüência desta lei é reduzir o direito de propriedade, fazendo com que o Estado tenha instrumentos para se meter na vida e posses do cidadão. É uma espécie de coletivização branda, onde todo mundo tem o "direito" de se meter na administração das fazendas por meio da ação de agentes estatais ou mesmo por denúncia de qualquer um que se ache no direito de faze-la. O Código Florestal, associado a uma série de outras legislações, normas, resoluções, etc.  se tornam uma máquina opressiva jamais vista no Brasil. 
   O que os estrangeiros (e brasileiros) precisam entender é que estas leis ambientais tem muito mais a ver com o sistema político pretendido pelos atuais governos do que com o ambiente em si ! Esta máscara ambiental é como a minhoca que se coloca no anzol para pescar, ou alguém já conseguiu pegar algum peixe mostrando-lhe diretamente o anzol ? 
   Talvez não tenham percebido ainda, que o comunismo volta a assolar- agora na  América Latina - ainda que de forma mais branda, lenta e dissimulada do que no passado. Ou seja à moda Gramsci .... 

Nenhum comentário:

Postar um comentário